Mobilidade Urbana – Pedágio urbano? Cadê os especialistas?

artigo publicado em 2012

thumb-quadrinho-sobre-o-transito-caotico

 

É um tema recorrente e parece sem solução… São Paulo vive o “caos” absoluto e aparentemente não há especialista sóbrio o suficiente para enxergar a solução para o transporte urbano, que seja sustentável e perene..

 

 

OS ESPECIALISTAS

Outro dia estava ouvindo um debate sobre o tema “mobilidade urbana” numa conceituada emissora de rádio, uma entrevista com vários especialistas do setor, dentre os quais um representante de uma ONG que defende ciclovias; um catedrático, mestre doutor de uma conceituada universidade; um especialista em corredores de ônibus e sistemas inteligentes de controle de semáforos; e também um especialista do metrô… havia mais alguém defendendo o pedágio urbano… Enfim, especialistas para todos os gostos.

A certa altura do debate fiquei extremamente irritado, pois não conseguia ver coerência em nenhuma das propostas destes especialistas, que defendiam o assunto baseados em suas respectivas matérias, ou seja, propondo soluções para os efeitos pontuais e não levantando a questão dos problemas em sua raiz, apesar de algumas propostas, isoladamente, fazerem algum sentido (mesmo que apenas paliativamente).

Não vou aqui ficar repetindo as ideias desses especialistas, as mesmas propostas: 1. Corredores de ônibus, 2. Mais Metrô, 3. Mais rodízio, 4. Pedágio, 5. Ciclovias etc.

O FOCO CORRETO

Será que ninguém percebe que o sistema de transportes será SEMPRE insuficiente, visto que a infraestrutura está sempre crescendo numa escala menor que a demanda?

O problema, portanto, não é a infraestrutura por si só, mas sim o CRESCIMENTO da DEMANDA por transportes. Por que os especialistas não enxergam esta realidade?

Percebam que não precisei recorrer a nenhum estudo sofisticado, não precisei de estatísticas, não realizei medições ou coisa alguma… é fato incontestável.

CONTENÇÃO DA DEMANDA

Não que não precisemos melhorar a infraestrutura, mas a ênfase dever estar na CONTENÇÃO da DEMANDA. A demanda não pode crescer geometricamente como vem ocorrendo nas últimas décadas. E como fazemos isso…?

Para endereçar o problema da mobilidade urbana pela raiz, precisamos, grosso modo, apenas “reduzir a necessidade de transporte”.

Podemos partir de um mapeamento de como as pessoas circulam pela cidade… Sabemos de antemão que muitas pessoas cruzam a cidade de norte a sul, de leste a oeste, para irem ao trabalho, às escolas, às universidades etc.; são muitas e longas horas em diversos meios de transportes, resultado da falta de coordenação e incentivo público.

INFORMAÇÕES (DIAGNÓSTICO)

Continuando… De início precisamos medir o quanto as pessoas estão distantes de seu destino diário. Podemos, a exemplo do que se exige dos empregadores com relação às informações dos trabalhadores (GFIP), incluir ou processar os dados relativos aos deslocamentos diários e mapear o trajeto destes trabalhadores, mensurando assim a dramática situação de logística, idem para as escolas e universidades com relação aos alunos e os respectivos deslocamentos de idas e vindas nos horários em que isso ocorre etc.

Posto isso, através de incentivos, promover-se-ia uma logística mais racional.

  • Incentivos para empresas contratarem funcionários que residem próximos do trabalho
  • Incentivos para o trabalhador residir próximo ao trabalho
  • Quotas para funcionários residentes próximos ao trabalho
  • Idem para pais de alunos e escolas
  • Idem para universidades e seus alunos
  • Incentivo para Empresas se instalarem em áreas onde houvesse infraestrutura completa
  • Bairros completos, incentivos para adaptação dos bairros com infraestrutura e oportunidade de trabalho local
  • Revisão do plano diretor da cidade visando RESTRINGIR novas edificações sem a contrapartida da infraestrutura (não só viária, mas também escolas, saneamento, hospitais, shopping center, etc)
  • Reverter o adensamento da cidade, reurbanizando bairros centrais, demolindo edificações degradadas, criando áreas verdes, lazer etc.

BOA VONTADE POLÍTICA

São providências estruturais que demandam esforço político e sacrifícios de longo prazo. Interesses particulares irão sem dúvida obstaculizar as iniciativas em torno de ações dessa natureza, mas, se nada for feito, a cidade entrará em colapso muito brevemente.

Além disso, é fato que o Brasil é campeão em impostos e isto talvez fosse uma forma de reduzir IMPOSTOS de forma orquestrada, através dos incentivos, para a pessoa física, para o empresário, para o trabalhador, escolas, supermercados etc.

Mesmo para as grandes incorporadoras e construtoras, que hoje se beneficiam com o caos urbano, surgiriam novas oportunidades através dos incentivos a novos empreendimentos, descentralizados, nos bairros. Basta harmonizar os interesses e tudo se resolve, pela raiz.

Que a solução seja sustentável e perene!

FICA A DICA AOS CANDIDATOS PARA AS ELEIÇÕES DE 2018…

Anúncios