Sustentabilidade e Trabalho

Programa VISÃO TRABALHISTA em debate, do Sindicato dos Metalúrgicos de Osasco e Região – Sindmetal, exibido pela TVOSASCO em maio/2015 – participação do Eng. de Segurança do Trabalho, HELDER SAMPAIO, convidado para falar de SUSTENTABILIDADE e TRABALHO…

 

Anúncios

O que Segurança do Trabalho tem a ver com Sustentabilidade?

Sustentabilidade-Segurança-trabalho

Este foi o convite à reflexão que o prof. Leonídio Ribeiro Filho, uns dos mentores da Segurança do Trabalho no Brasil, dirigiu aos alunos de pós-graduação em Engenharia de Segurança do Trabalho da UNIP. O tema é complexo e induz os empresários a reverem os conceitos…

Sustentabilidade

Quando se fala em sustentabilidade muitos estabelecem a sua relação, quase que exclusivamente, com os recursos naturais do planeta. Muitas vezes esquecem-se de incluir a espécie humana como parte do problema.

Sustentabilidade na verdade possui inúmeros vetores, não necessariamente apenas aqueles relacionados à fauna, flora e aos recursos naturais em geral.

A definição clássica de Sustentabilidade, conforme relatório de Brundland (1987) – ONU, é a seguinte: “desenvolvimento sustentável é aquele que atende as necessidades das gerações atuais sem comprometer a capacidade das gerações futuras de atenderem a suas necessidades e aspirações”.

Está claro portanto que a sustentabilidade está centrada no “ser humano”, todo o resto fica sem sentido se a perenidade da vida humana não puder ser defendida.

Aspectos que extrapolam o meio ambiente

Seguindo nesta linha de raciocínio é fácil perceber que o meio ambiente, como deve ser visto, abrange o ser humano e todo o seu contexto social e econômico.

Assim, preservar a sustentabilidade implica em garantir também o equilíbrio do contexto social e econômico.

Segurança do trabalho

A segurança do trabalho visa fundamentalmente a promoção da saúde e segurança do trabalhador. Uma definição para Segurança do Trabalho pode ser a seguinte: “corresponde ao conjunto de ciências e tecnologias que tem por objetivo proteger o trabalhador, buscando minimizar e/ou evitar acidentes de trabalho e doenças ocupacionais”.

Portanto, seguindo neste viés, a segurança do trabalho, ao proteger o trabalhador, também assegura o equilíbrio social e econômico, ou seja, a sustentabilidade como um todo.

A perspectiva empresarial

Por outro lado, do ponto de vista empresarial, cuidar da segurança do trabalhador, tem implicações mais profundas já que possui relação direta com a qualidade e com a produtividade.

O velho conceito de segurança do trabalho, baseado apenas no cumprimento mínimo das exigências legais, não cumpre a missão estratégica da sustentabilidade.

A perenidade do negócio depende da sustentabilidade, uma coisa está ligada à outra – a própria sustentabilidade fica comprometida quando os negócios fracassam.

A lei universal

Como em tudo, aqui também prevalece a lei universal, o equilíbrio como sendo a premissa presente na compreensão de todos os processos da natureza – havendo desiquilíbrio forças surgirão tendendo a reequilibrar o sistema.

Assim sendo, a harmônia deve ser a grande meta, os aspectos empresariais, sociais, econômicos, ambientais, ecológicos etc, devem estar todos alinhados em um patamar de equilíbrio que faça sentido.

Estratégia e Segurança do Trabalho

O melhor caminho portanto é aquele que se alicerça no “ser humano”, o agente capaz de promover todos os outros vetores que contribuem para a sustentabilidade.

A segurança do trabalho deve ser vista como componente estratégico dos negócios. Além da sua relação com a qualidade e a produtividade, ao promover a saúde (física e mental) e segurança do trabalhador, tem-se a matéria-prima essencial para o desenvolvimento dos negócios, o “ser humano” mais engajado, mais criativo…. e feliz…

Pense nisso!

Quando um casamento não vai bem…

egoismoUma empresa é como um casamento, se não há cumplicidade e compartilhamento de valores, não se pode esperar grandes resultados… Todos gostam do PLR (participação nos lucros e resultados), mas rejeitam qualquer possibilidade de participação nos resultados quando estes não os favorece…

Um dos pré-requisitos para a sustentabilidade é o equilíbrio. É a lei universal, presente em tudo, na física, nas leis de newton, na ação e reação, causa e efeito, etc… Portanto qualquer esforço que provoque distorção irá gerar forças ou efeitos no sentido oposto, tendendo a restaurar o equilíbrio…

No campo financeiro, o equilíbrio também é fundamental, não se pode gerar despesas maiores que as receitas. Ao gerar despesas maiores que as receitas, ou se caminha para o caos absoluto, inviabilizando a retomada do equilíbrio ou geram-se esforços adicionais para restaurar o equilíbrio.

A natureza tem nos mostrado esta lei de forma implacável, as tragédias divulgadas na TV nada mais são do que a natureza buscando resgatar as agressões provocadas pelo homem.

O filme “The day after” mostra este efeito levado as últimas consequências, retrata o problema e o possível resultado da negligência quanto à busca do equilíbrio e da sustentabilidade.

Podemos notar que temos estas mesmas questões dentro de casa, as contas domésticas devem ser compatíveis com o orçamento, e não adianta estrebuchar pois não tem como gerar recursos do nada… No limitado entendimento de uma criança é compreensível que não se aceite uma negativa, quando ela quer que o pai compre um brinquedo irá estrebuchar até ser atendida ou até ser repreendida. Na vida real, adulta, o não é uma resposta válida.

Nas empresas, nas equipes de trabalho, essa é uma situação corriqueira… Dividir lucro todo mudo quer, dividir obrigações e compromissos já não é tão fácil assim. Aqui também prevalece a essência egoísta do ser humano, as prioridades pessoais em primeiro lugar, primeiro o meu depois o seu (da empresa, do sócio, etc)… o que é teu (empresa) é nosso e o que é meu é meu! Dividir e colaborar é coisa complicada demais… A questão central não é quem deve pra quem e sim quem pode e quem não pode…para benefício do conjunto… Não trata-se daquilo que as empresas podem fazer por seus colaboradores mas sim o que os colaboradores podem fazer por suas empresas.

Como disse antes o equilíbrio é o segredo de tudo. Portanto para que mudanças ocorram é preciso manter o equilíbrio, planejar as ações com cautela e permitir o fluxo natural das coisas. Qualquer providencia diferente agrava e não resolve.

Sem tranquilidade para planejar e reconstruir não se chega a lugar algum. Um vai construindo e o outro vai atrás desmanchando… O barquinho afundando, furado, um tirando água com o baldinho e os outros olhando… como se não estivessem no mesmo barco!… vamos mais rápido, tira mais água, tá muito devagar!!!!

É a gata sem leite e os gatinhos miando na orelha… Pense nisso !